sábado, 4 de junho de 2011

Eu me faço de durona para todo mundo, fico dizendo por aí que está tudo bem e que as coisas estão se acertando, mas a verdade é que eu sinto uma falta imensa de você. Sinto-me uma idiota de ficar pensando em você, de ficar pensando em como tudo poderia ser bom se você estivesse por perto. E tarde da noite aqueles velhos sentimentos tornam a perturbar.


Meus amigos me tratam como uma imbecil por gostar tanto de você ainda. Acho que ninguém vai entender a dificuldade de se seguir em frente sem você. Eu poderia passar um dia inteiro contando para eles de como eu gosto quando seus olhos cruzam com os meus, seu jeitinho de fazer piada para me fazer rir nas horas inadequadas. Mas então lembro que nem mesmo assim, ninguém vai entender.

Sempre me enviam olhares opressores quando eu digo que te deixei voltar, mesmo depois de tantas vezes. Pode parecer à maior idiotice do universo, mas eu adoro essa menina que eu sou quando estou com você. Então, todo mundo começa a opinar e achar que estou tão cega que não consigo distinguir o que é certo.

Por mais que eu te escreva um milhão de textos, eu ainda não te escreveria tudo, aqueles tão bons momentos que compartilhamos, esses sentimentos que eu não sei colocar em palavras.

Um grande amor não termina da noite para o dia, não se diz adeus sem motivo, tampouco se coloca outra pessoa no seu lugar quando ainda se tem muito sentimento. Outros caras são só outros caras perto de você.