segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Mais uma vez estou eu aqui me desculpando por ter ficado tanto tempo longe, mas o fim de ano foi muito corrido. Em janeiro tirei minhas merecidas férias, conheci a praia, escrevi um pouco em um caderno mas li bastante. E  relaxei. Mas como sempre, quando voltei, estava atolada de trabalho e não tinha tempo e nem animo para escrever. A boa notícia é que agora sou uma universitária haha. É, depois de muita luta agora sou uma estudante de Relações Públicas da UEL minha gente! Mas enfim, agora tentarei conciliar tudo. E claro, uma das minhas resoluções de ano novo foi cuidar melhor do blog. E depois de tanta enrolação, logo abaixo tem um post novinho.

The best of me.


Prendo a respiração enquanto conto os segundos.  Falta pouco tempo, logo não estaremos separados por um oceano. O coração parece estar mais pesado que nunca na espera que possa tocar sua face novamente. Devaneio pelo decorrer da noite e o relógio vai travando sua guerra comigo. Ouvi uma canção que dizia o quão difícil é viver longe, e de repente a saudade me atingiu como um trem.
A ansiedade me toma quando penso que logo poderei sentir seus braços ao meu redor, sua mão segurando meu rosto e seu olhar ostentando o meu. E vai ser você de verdade, e não seu rosto no monitor em uma chamada de vídeo. Quase não consigo acreditar que já faz três anos desde que recebi aquela ligação no último dia de aula dizendo que você iria transpor um oceano.
Você foi se encontrar, e eu perdida no meio do caminho me achei também. É insano como durante todos esses anos a gente traçava caminhos diferentes e a vida sempre fazia a gente retornar um para o outro.  
A verdade é que sem você nos Natais, Anos Novos e aniversários parecia que sempre faltava algo. Chorei por noites depois que desligávamos o telefone. Ou quando você não me ligava, ficava olhando desesperadamente para a tela esperando que magicamente aparecesse seu nome ali. Agora meu coração me trai de novo, quase explodindo de felicidade por saber você estará de volta.
Velhos sentimentos que nossos corações velhos conhecem bem.  Sempre achei de depois de tantos anos a paixão não estaria mais aqui. Mas me pego agindo como uma adolescente, as borboletas revirando o meu estômago, ouvindo música romântica e berrando com elas. Os clichês não parecem assim mais tão estúpidos. Acho de verdade que ainda sou apaixonada por você e você tem o melhor de mim.