segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Só Deus sabe como doeu esperar cada dia sua partida, e como a ansiedade do reencontro consumia os dias que se prosseguiram. O tempo pode esvanecer-se de nossas mãos criando um sentido próprio, imparcial e único, acima de nossas tolas expectativas e maior do que a vida. A vida é apenas um raio, um flash de luz em um mar de luxúria.
Nada tem o seu valor atribuído se não for grandioso, estupendo e digno de um filme norte-americano. Um romance simples, com olhos esbanjando amor, não merece destaque se não houver conflito ou um triângulo amoroso para atenuar as situações cotidianas. Cadê a dedicação de dois jovens que planejavam o futuro e dividiam segredos que ninguém mais poderia saber?
Eu deveria ter desistido a cada passado errado, mas a vida é curta demais para você deixar de lutar cada vez que algo fuja de seus planos. Talvez, deveria ter sido um pouco mais forte ao passo que quando sua queda fosse inevitável e nesse tempo, eu tivesse pronta para te equilibrar e sustentar, mas eu era pequena e meu coração frágil demais para tantas decepções que o obriguei a suportar em um silêncio. Não me diga que deveria ter guardado minhas lágrimas, pois não se diz as nuvens para não chover quando as mesmas o precisam fazer.
O nosso caso deveria ter sobrevivido à tempestade que é a paixão, foi quase enganado com a chance de sentir a leve brisa do amor. Qualquer um podia perceber o quão forte era o sentimento quando você estava por perto, mas agora você e eu somos apenas fruto de uma imaginação desalentadora.
Então estamos nós aqui novamente, no meio do abismo de sermos você e eu, e nos deparando com o medo em cada situação. Eu estou sempre dizendo que eu só queria ser a pessoa que eu era perto de você, mas é verdade é que te quero por perto como um coração fraco deseja bater.
Talvez eu me sinta tão idiota porque todos seguiram em frente com suas vidas e eu estou aqui ainda, esperando que o arco-íris apareça em meio à tempestade.  Ontem eu revi algumas fotos de alguns anos atrás, e me fez pensar como tudo mudou. Você não apenas trocou seu corte de cabelo, mas também sua atitude. Não sei onde errei, não sei o que fiz para merecer tanta indiferença.
Eu estive a um passo de te esquecer de verdade, foi realmente perto. Por algum motivo não consegui, parece que tem algo que me arrasta até você e me deixa presa ali, e perdendo a vontade de prosseguir. Talvez seja a chamada esperança, que fica me dizendo que um dia você vai acordar e vai vir para os meus braços... Não, essa é a ilusão que não consegue parar de crescer.
Continuo esperando pelo sol, pelo esquecimento e por assumir a verdade de que o me arrasta pelos dias é a falta de você...

2 comentários:

Um poeta disse...

Um texto gracioso, confessional e puro, como são puras as suas publicações. A essencia da sinceridade, da ternura, a capacidade incrível de se revelar tão graciosamente, mesmo ser for num plano fictício, torna-te uma excelente escritora. Parabéns!

amanda vieira disse...

muito obrigada, fico feliz que aprecie meus textos, fico até sem jeito e sem palavras para expressar quão grande é minha gratidão, é muito importante para mim que agrade!